segunda-feira, 8 de setembro de 2008

sábado 6

Eu ia começar esse post de péssimo humor, dizendo "péssimo dia pra vocês também, esses malditos não me deixam dormir", mas lembrei de Guerra&paz ontem, foi tão fofo *-*

E além disso, eu tô comendo pão de mel, e nem tive pesadelo. Aliás, nem sonhei. Então, sem estresse.

E tô ouvindo "Disenchanted", é tão linda *-*

Foi tão bonitinho, ontem no guerra&paz. Tipo, eles tavam dando proteção policial a um cara chato³³³. "Aquele cara era CHATO, hein? Pode procurar "chato" no dicionário que vai ter a foto dele" :'6

And bury me in all my favorite colors, my sisters and my brothers ♪

Aí eles entraram numa espécie de barzinho chique, e começaram a discutir pra chamar a atenção das pessoas, porque os caras que queriam pegar o chato tavam lá, os bandidões principais do episódio. Aí tipo, ela deu um tapa na cara dele, e eles começaram a discutir sobre coisas que aconteceram de verdade:

- Você nem foi no meu aniversário de 18 anos. "Ah, pra quê ir no aniversário da gorda", né?

- Eu fui sim. Do jeito que eu andava, de chinelo e camiseta, e não me deixaram entrar, com aquele monte de caras de terno francês.

- Você era mais bonito que eles, não importava a roupa.

Aí eles ficaram chorando, quase que eu pego o embalo. Quase. Eu tava comendo, não podia engasgar.

Aí a mulher falou pra ela ir lá na frente cantar, e ela foi, e os caras falaram pra ele ir, e ele foi também. Aí eles ficaram cantando a música tema deles. Foi tipo HSM, mas foi um trilhão de vezes melhor [/vocês sabem como eu ODEIO a Hudgens. E, desde que o Zac disse que quer ser o novo Brad Pitt, também parei de gostar dele. Tisdale ♥]

Just see her, just touch her, just hold her in my arms again ♪

Queria saber o nome dessa música, cara, é tão bonitinha *o*

Aí eles iam se beijar, mas se abraçaram só. Aí no fim o marido dela catou a morena doidona, e o Guerra disse que não dá mais pra esconder o que um sente pelo outro e talz, e acabou. Ah, não, a temporada não pode acabar ;__; ele ainda tem que achar a filha dele, e eu não vou perdoar o Boninho se o próximo for o último episódio.

Meldels, esse artigo da Wikipédia sobre o Joe é péssimo, acho que eu mesma vou reescrevê-lo. Quero dizer, a tradução sem dúvida e automática, e eles escreverem Anrew Hurley em vez de Andrew @_@

E, além disso, o Andy entrou em 2003, que eu saiba, assim, tinha o Mike, ou Mick, sei lá, e o TJ Racine. E, se eu tivesse que supor, acho que o Mike brigou com o Pete, e o TJ Racine saiu por causa do Mike. Tipo, isso dá pra supor pela letra de our lawyers made us change the title of this song so we wouldn't get sued: "we're only good 'cause you can have almost famous friends", e pelo próprio título, "Tell me Mick, he just made my list of things to do today". Sei lá, eu tenho uma vaga idéia sobre o Mick ser um mala que queria mandar em todo mundo e o Pete ter dado o pé na bunda dele. Mas isso, claro, é só uma historinha mental. Só pra comentar que a Wikipédia tá errada.

Ohmeldels. Ouvir "Helena" não tem a menor graça, a grande parada é o clipe, a Helena levantando do caixão *-*

Hah, explicação pro nariz do Joe, ele é judeu. Acho que era a única coisa que tem no artigo e que eu não sabia dele, mas seria fácil supor, ele tem realmente cara de judeu :B

Acho que eu vou detonar esse pacote de pão de mel inteiro.

SO I CAN'T HURT YOU ANYMOOOOOOOOOOOOOOREEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE ♪

Que ódio, cara, pau no cu dos malditos que ficam soltando rojão a essa hora @_@

Cu me lembra cobre, que me lembra que eu me fudi na segunda parte da prova de química ontem. A única coisa que eu acertei tudo e tenho certeza foi um treco de colocar o nome do elemento, ex: Mn: .... , aí eu escrevo "manganês", essas coisas. Mas o exercício inverso a esse eu errei inteiro, coloquei que o símbolo de sódio era S :'6 só acertei Hg e Cu.

Tô lendo "Droga de Americana". É bem mais bem-organizado, tem as imagens de começo de capítulo e todo o mais.

Aposto que o bandidão é esse Sherman.

A Karen brigou comigo por causa do pão-de-mel e eu tô me sentindo culpada ç.ç

"— My dearest Peggy, éo tchi áámôu..."

IAHOSDHODSI.

Get the feeling that you never, all alone and I remember now, at the top of my lungs, in my arms she dies, she diiiiiiiiiiiiiiiiiiieeeeeeeeeeeeeeees. At the end of the world, or the last thing I see, you are, never coming home, never coming home… ♪

Asho-q eu tenho a letra de Helena em alguma revista Smack de 2006 perdida por aí. Helena devia ser tema de novela. Do Manoel Carlos, aquele véio que era foda e ficou gagá, e que só coloca Helenas de principais ¬¬

But where's your heart? ♫

Tô tentando adivinhar a história pelo nome. Droga da obediência e droga do amor eram bem claro. Mas droga de americana seria o quê? Injetar genes da filha dele pra fazer todo mundo ser bonito? Tsc, tsc. Deve ser no sentido de droga não fumável. Droga merda mesmo.

Famous last words *—————————————————————*

O que são "Yankees"? "Ianques"? :B

Ou talvez a Peggy seja hipnótica.

Que horror, seqüestraram a Magrí pelada D:

Argh, agora tô passando mal por causa do pão de mel.

Do you live, do you die, do you bleed for fantasy? ♪

Voltei. Tinha ido lá do outro lado da rua comprar absorvente. Uau, é incrivelmente caro, ainda bem que veio com uma bolsinha de brinde 'ai que pobre :'6

É que tipo, hoje ainda é dia 6 e só sobrou 11,50 da minha "fortuna" inicial de cinquentão, semana passada. Homem é fogo, viu. Meu pai que dá só cinqüenta, e o pai do Di que não coloca crédito pra ele. Sábado passado foi praticamente a melhor madrugada da minha vida porque a gente ficou conversando por mensagem. Bom, praticamente, talvez aquelas madrugadas de dezembro jogando verdade ou desafio tivessem sido mais empolgantes :B

Omg, eu ia subir na balança, mas pensei: de jeito nenhum, vou ter uma crise emo depois disso.

Minha mãe é uma idiota. Ela acha que só chazinho resolve. Tsc, tsc. Se houvesse um jeito de comprar remédio no nome dela sem ela saber, pode apostar que eu já teria feito isso.

Com certeza esse Hooper faz parte de todo o esquema.

Acho que depois eu vou reler "Descanse em paz, meu amor". Não, não é nome de musiquinha emo! U.uuuu

É tão legal *-* o povo conta histórias de terror pra mostrar pro cara que ele tá morto!

Tô lendo agora :B porque Droga de Americana tava parado demais x.x depois leio de novo. Afinal, vai ser mais um fds com a bárbara vida social de alguém que anda com os pops às vezes, mas não é exatamente muito pop.

Say a prayeeeeeeeeeeeer ♪

É perfeito ouvir mcr enquanto lê coisas sombrias. E o clima também tá perfeito – um nublado beem assustador. Se bem que eu adooooro tempo nublado. O melhor clima do mundo é com o céu nublado e um vento não muito forte batendo *-* simplesmente odeio chuva e sol. Acabam com o cabelo.

Ai, o primeiro cd do MCR nem é muito bom x.x

Gelei. Eu nem lembrava direito das histórias *O*

A história da Ludmila é a do jogo do compasso, acho :B

Amei esse nome, minha filha vai chamar Ludmila :B

Bem sonoro, omg. "Ludmila Lourenço Esmerio". :B oi-q

Ai, que música assustadora. Melhor eu ouvir FOB mesmo 'emoticon assobiando.

Me dá um arrepio nas costas ler esse treco do jogo do copo. Não, não é medo da história. É medo do que aconteceu comigo ano passado.

Acho que esse é o momento apropriado pra contar pra vocês.

buuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu

• Era uma terça, ou quinta (era dia de basquete, só lembro isso. depois eu verifico no meu diário de papel) mais ou menos em março, e lá estávamos eu, Jair, e um povo mais novo jogando. Aí começou a chover. Minha escola é pobre o suficiente pra ficar toda inundada quando chove extremamente forte. Eu, claro, podia ter voltado pra casa sob aquela chuva, afinal, ninguém morre, eu morava a duas quadras da escola. Maaaaaaaaaaaaaas.... nem sei porque, acabei ficando lá. O Jair era meu melhor amigo, e a gente podia se distrair conversando milhões de coisas por hoooooras, até que aquela chuva maldita passasse! Só que a Milena e a Mariana também tavam lá, tinham ido fazer aula com o Duarte. Só que o Duarte não foi. Aquela chuva começou a inundar a escola toda. O único lugar seguro seria uma sala, e nós fomos pra lá.

Não tenho certeza, mas acho que a sugestão partiu de mim. Impulsionada pelo livro que eu tinha acabado de ler – o Descanse em Paz Meu Amor – e querendo comprovar se aquilo existia mesmo. Eu acreditava no sobrenatural, talvez até mais que agora, mas... bom, faz um ano e meio, e eu não sei o que passou pela minha cabeça.

Aí tipo, falei: "vamos fazer o jogo do copo?"

Tínhamos doze anos. Qual é, adrenalina!

Pedimos um copo pra Tina, a mulherzinha legal que trabalha na escola. Ela deu o copo, e eu falei: "vai dar muito trabalho fazer todos os papeizinhos, vamos fazer só o sim e o não".

Todo mundo concordou. Sentamos os quatro no chão, em volta do copo, com a porta e as cortinas fechadas.

Cara, tô caçando a data.

Ahmeldelscacete, eu achava que ia beijar o caio só porque eu tava sozinha com ele no quarto dele, e, ugh, ele tava com mau hálito. Sorte dele que eu era bem pouco maliciosa na época, senão eu teria inventado caaaaada coisa... do tipo, ele ter broxado :'6

ACHEI!

Foi no dia: 08/03/2007.

Aí tá, colocamos o copo no chão.

Tipo, eu perguntei: "tem alguém aí?"

Sim.

Perguntei: "meu amor gosta de mim?"

O copo tremeu loucamente. Eu lembro como se fosse hoje como eu me senti, de olhos fechados, naquele escuro, tendo a certeza de que alguém ia forjar o jogo, porém acreditando totalmente que realmente havia alguém lá.

Aí quando eu abri os olhos, vi que a Mariana tinha levantado pra abrir a cortina. A gente tava apavorado, cara. Tipo, como a gente tava numa sala de aula, a gente tinha empilhado todas as carteiras pra lá > e as janelas também são pra lá >, e a gente tava pra cá <, então, isso foi a única coisa que fez com que o copo não acertasse a Mariana, porque ele saiu se arrastando pelo chão na direção dela. Ninguém pode sair quando o jogo tá no meio. Ainda tentei perguntar se ele não queria que a gente fechasse a cortina. E eu fiquei sem respostas. Como "meu amor" na época era o Caio, eu posso hoje, dizer com certeza, que o copo teria respondido não. Mas e se o espírito estivesse vasculhando o futuro em busca do "amor" pra vida toda, e não aquela coisa passageira? Bom, ele deve ter ficado em dúvida por isso. Porque a resposta pro amor pra vida toda seria sim. Eu sei. Depois de um ano e meio eu posso saber. *+*

Só sei que ficamos sem saber a resposta pra essa e pra outras perguntas que eu pretendia fazer. Se o jogo fosse sei lá, amanhã, eu com certeza teria muito mais autocontrole. Mais que isso – eu faria todas as perguntas sem medo. Ou com menos medo – meu medo é de o copo capturar um espírito do mau e fuder tudo.

Só sei que saímos correndo, pegamos o copo pra entregar pra Tina – o copo tinha lascado – e fomos sentar debaixo da escada.

Eu tinha uma revista que ensinava a ler mão. Se não me engano... A linha de cima da mão é a do coração, a do meio é a da cabeça e... peraí, vou procurar a revista pra ter certeza.

Ah, se a câmera tivesse com pilha, pra mim fotografar essa página. Não teria que explicar as coisas. Talvez vocês não queiram saber, realmente. Mas é importante pra história. Por isso tem um parêntese sobre isso lá embaixo.

Aí eu li a mão das pessoas. Eu lembro que eu falei que a Mariana ia morrer cedo, porque a linha de destino dela (linha da vida, ou de destino) era muito fraca e curta. Espero sinceramente que isso não se cumpra, cara. Eu amo ela. Muito mesmo. E pra Milena eu também previ uma coisa corretamente: a vida amorosa dela seria um caos. A linha do amor (ou do coração) dela era bem diferente da maioria das mãos que eu já tinha visto. Pro Jair eu não lembro o que eu previ. Só sei que depois disso ele foi fazer com a gente um joguinho que ele descobriu na internet – e, misteriosamente, a gente nunca conseguiu encontrar o jogo. Apesar de eu ter tentado por uns cinco meses encontrar, não achei.

Era meio sobrenatural também. Dividido em duas partes. Tipo: parte um – diz o nome de três caras que você já beijou (como eu era bv, eu coloquei três caras que eu fui a fim) e corta as vogais que se repetem no nome deles. Parte 2 – pensa numa pergunta que a resposta seja sim ou não, e que você saiba a resposta, exemplo "minha vó chama Maria?", aí ele chutava a resposta: "é não?", e a pessoa dizia se era. Se ele acertasse, ele colocava um código pra identificar essa coisa, exemplo "vm" (vó maria). Se ele errasse antes de formar alguma palavra, parava e começava com outra pessoa. Bem estranho, né? Não sei de onde ele tirou isso. Eu fui a última, e tava louquinha pra saber o resultado. Mais que louca. Eu tava totalmente neurótica. Nem que fizesse sol e o Mateus Muller [cara do sul que eu era meio enrolada com na época] tivesse na rua me esperando, eu não sairia de lá. Não lembro das minhas perguntas, nem das respostas. Só lembro quando o Jair deu uma risada forçada, e chamou as meninas pra ver. A Milena berrou seu clássico "HHHHHHHAAAAAAAAAAAAAAAN" assustado, e a Mariana sorriu, dizendo "meldels". o Jair então disse: "é a sua última pergunta. Tenho duas palavras. Pode formar uma coisa muito boa, ou uma coisa muito ruim". Não lembro qual foi a última pergunta, apesar de me lembrar muito bem da sensação no meu estômago naquele momento. Quando ele anotou a última resposta... AH, CARA, OS TRÊS TINHAM UMA EXPRESSÃO ASSUSTADORA. Pensei: previ minha morte. O Jair começou a substituir letras, pra formar as palavras direitinho, perguntando pra mim se eu queria um C ou um V, essas coisas. Aí ele me mostrou as duas palavras: "Amores e cemitério". Por incrível que pareça, a primeira pessoa que eu pensei foi minha vó. Mas no dia seguinte a gente soube... o Caio tava internado, com dengue hemorrágica.

Eu e o Jair nos sentimos culpados a semana inteira, e ele jurou que não faria mais aquele jogo.

Então... voltando ao negócio de ler o destino na mão... uma breve introdução à quiromancia :B

•(Parêntese da Thatha – Quiromancia.)

A linha de cima, a mais forte, é a linha três, a linha do coração. A minha é longa, profunda e curvada pra cima (well, nunca vi ninguém com ela curvada pra baixo ò.ó mas diz aqui na revista). Significa (longa e profunda) que eu tenho equilíbrio emocional (veja só, uma pessoa que chora até na propaganda do Assolan, tem um incrível equilíbrio emocional, com certeza) e a linha ser pra cima significa, tchanãs, insegurança. Isso tem a ver comigo.

A linha dois é a do meio, e representa a linha da cabeça. E a minha é bem longa (longa e grossa xD), vai afinando até quase desaparecer.

Significa uma pessoa que sabe raciocinar pra vencer na vida de qualquer jeito. E, o fato de ser forte e definida (o começo dela é até mais forte que a linha do amor!) significa ousadia. É, beeeem a ver mesmo, de verdade. Principalmente esse detalhe, de começar mais grossa que a linha do amor. Significa que no começo – quando eu era mais nova – minha cabeça era mais bem-sucedida que o coração, o que é uma grande verdade. Agora os dois estão em equilíbrio. Ou talvez o coração esteja melhor que a mente. Parece coisa de quem pensa só com o coração bobo e amanteigado, não saber 24 – 7 de cabeça.

A linha um, que é uma que cruza com a linha da cabeça, se chama linha da vida. É a minha linha mais fraquinha. É quase tão fraca quanto as linhas intermediárias que dividem os montes de Vênus, Júpiter, Marte, Saturno, Sol e Mercúrio (depois explico o que são os montes). O que significa que eu não vou ser exatamente uma Dercy na vida. E, diz aqui, "ótima resistência, mas precisa tomar cuidado com a alimentação". The cap fits. Além disso, é ligada à linha da cabeça, apesar de parecer mais uma ramificação de um afluente de rio que uma linha importantíssima.

Ah, e tem os montes da mão. São essas divisões feitas com linhas finas, que representam amor, realizações, coragem, interior, energia e comunicação. Tava tentando fotografar com o cel mesmo, mas com essa câmera de 1 mega pixel nem rola.

O mais curioso é que... a mão da esquerda é totalmente diferente. Não é só por aquela lógica cristã de que "uma mão é diferente da outra", e sim porque a mão esquerda representa a vida passada. A última vida. E eu, por ser médium, sei um pouco da minha. Qual é, não me olhem assim. Eu não encano muito com parecer louca. Mas aqui eu me sinto segura de falar qualquer coisa assim. O sobrenatural mais natural do que a gente imagina. Não é a mesma coisa que chegar num shopping dizendo que eu fui uma madame que sofreu horrores na vida passada. Aqui eu escrevo com tranqüilidade, na maior. Ou quase. Quero dizer... Vocês vão me achar louca bem menos que meus amiguinhos putos e fumeiros me achariam. Então... sei lá, isso parece um segredo, visto que eu nunca falei pra ninguém, só minha mãe, minha vó e o pai 2 sabem porque tavam presentes. ;~~ é bem complexo...

Mas nem é tão sinistro assim. Eu já sei disso há uns dois anos, mas nunca soube como falar pra alguém. Se eu falo das minhas viagens astrais, eu posso falar na maior sobre minha vida passada. Não é não? Se quiserem desistir de ler, esse é o momento. Falando em viagem astral, esqueci de perguntar pro Di se ele também sonhou com isso, aquele lance todo de ontem, mas acho que se ele sonhou, nunca ia lembrar. Tem gente que tem pesadelos a noite toda mas depois não lembra. Eu às vezes queria ser assim. O Raffa disse que meu espírito tem algo de evoluído pra eu ter duas capacidades sonhais ao mesmo tempo, a dos sonhos realistas e a de realmente fazer viagens astrais conscientemente.

Talvez a evolução tenha a ver com a vida passada. Então ok, vou contar. Parece história de livro. Tipo da Mediadora. Mas, acreditem, coisas do tipo ficção e filmes com fantasmas, tirando alguns exageros, realmente podem acontecer com pessoas comuns e tediosas. Pessoas como Thamires Lourenço :B

Eu chamava Natalie (morra, Nati, alguém com seu nome raro :B) e era linda (deu pra sacar que eu fui castigada severamente na filinha pra voltar à vida, né? xD). Eu tinha uma irmã mais velha que chamava Pérola e era escritora. Já tentei procurar sobre ela no Google – minha vó uma vez sonhou com ela, antes de eu saber desses lances todos, e a gente nunca esqueceu o nome, mas nunca achei NADA sobre ela no Google. Talvez ela usasse nome artístico. Porque sua amada irmãzinha Natalie era uma vergonha.

Bom, a Natalie também devia ter sido escritora, que nem a Pérola. Não por obrigação, e sim porque Natalie era tão boa com as palavras como a irmã, talvez mais do que eu sou agora, e, vou te contar hein, escrevendo eu arraso :F

Mas Natalie, por ser a garota mais bonita do lugar – vê se pode, eu era francesa mas morava na Bahia, que horror! Eu sei que dá bem menos credibilidade pra história dizer isso, mas é a pura verdade. Não se esqueça que isso foi sei lá, talvez no começo do século passado, ou no fim do retrasado (eu suponho, por causa das roupas que eu vi em uns sonhos), e que os caras ricos vinham pro Brasil. O pai da Natalie devia ser fazendeiro. Quer dizer, eu sei quem era o pai da Natalie. Era o pai 2. Parece que ele não cuidou direito da Natalie, porque o tal Moulin Gabriel foi mandado via-aéreo pra próxima vida pra cuidar de mim por mais uns tempos. (suponho que esse seja o sobrenome do velho, porque era o sobrenome da Pérola. O sobrenome "Gabriel" pode ser o sobrenome de casada dela, mas é francês. Não tem como saber. Ela pode ter morrido solteira ou casado com um francês, talvez eu nunca saiba)

Eu sei, a essa altura vocês já devem ter saído correndo achando que eu sou totalmente alucinada, mas eu precisava dizer isso. Há dois ou três anos eu guardo isso só pra mim, com todas as minhas dúvidas em relação a mim mesma, sabe? Eu acreditei o tempo todo, e não vou deixar de acreditar. Só que eu me achava tão anormal, imagina se eu escrevesse sobre isso? Se eu contasse pra alguém? Ia ser uma conversa realmente animada, né? "Oi, eu sou médium, e um espírito me contou sobre minha vida passada".

Bom, continuando... lá estava eu, lindona, chamando a atenção de todos os caras... bom, provavelmente muitos dos caras que eu amo hoje em dia (você sabe, como amigos. Ou talvez o Di também, sei lá. Eu meio que tenho uma conexão "in former times" com o Rô e com o Trida.

Ih, não consigo contar a história, fico fazendo comentários o tempo todo.

(minha mãe chamando)

(voltei, tinha ido almoçar)

Aí tipo, isso foi bem coisa de novela. Mas, afinal, nossa vida é uma novela. A minha sempre foi, mesmo quando eu era Natalie. Eu, que podia casar com qualquer sujeito rico e ser feliz pra sempre, fui gostar logo do maior vagabundo da Bahia – ele chamava Miguel. Foi ele que me contou tudo, quer dizer, pra Thamires, não pra Natalie. Ainda bem que nessa vida eu sei escolher muito bem os homens. Vejam só o santo que eu arrumei. 8D O que, em termos de minha segurança, é infinitamente melhor que o Miguel, como vocês vão ver a seguir.

Aí, contra tudo e todos, lá fui eu casar com o sujeito. Pra viver num lugar miserável, sendo que eu era riquíssima. Eu era totalmente louca por ele. A mãe dele – que, ooh, era a Karen, por incrível que pareça – me odiava. Não suportava a nora patricinha.

E então... eu tive filhos. Muitos. Dá pra sacar o horror que eu tenho a parir, apesar de agora eu até considerar a possibilidade? (viu o que você faz comigo, amor? Pensar.em.parir. ahmeldels.)

Aí um belo dia... oh, fudeu. Ele foi morto com uma peixeira (tipicamente baiano) por um cara. Não entendi essa parte, se ele tinha me traído, ou se foi uma cilada, ou se ele tava só conversando com a mulher do cara, ou sei lá o quê, mas meu instinto me diz que Natalie tinha uma galhada gigante enfeitando sua linda cabeça.

Aí com ele morto... a mãe dele se matou. E acho que ela tinha outros filhos, só que só gostava do Miguel, algo assim. E eu? Condenada à depressão, parei de cuidar dos meus filhos. Simplesmente abandonei eles. Parei de me importar com tudo. De viver. Fiquei vegetando. E olha só, eu tinha tudo pra ser um sucesso – era rica, linda, podia seguir os passos da minha irmã. E fui uma merda. Porque eu era desmiolada. Agora, aqui tô eu, pobre, feia, sem nenhuma irmã pra me guiar. Mas não vou ser uma merda de novo. Porque eu não sou desmiolada.

Eu sei que é chocante, impressionante e todo o mais, ou talvez ao contrário, vocês podem estar achando cômico, e provavelmente rindo e dizendo "ela inventou/ela pirou/que idiota/isso é drama de escritora", daí pra pior.

E, pode crer, foi muito mais chocante e impressionante pra mim.

Nota mental: pegar a letra de Cancer do mcr. Tô ouvindo há horas. Dá vontade de chorar litros. E com motivo. O mcr tem letras muito... eu não diria emo não. Emo virou modinha. Se emo fosse só o estilo de música, e não os exagerados xises e agáses (x's e h's) que os posers usam, eu realmente seria emo. Seria mesmo ú.u

Ai que nauseante, essa história do anel. (lendo DESCANSE EM PAZ MEU AMOR)

Acabei de almoçar x.x

É a quarenta-e-dôisma vez que eu escuto Cancer. Ok, eu sei que a palavra é quadragésima-segunda.

"A suma-sacerdotisa deveria ter sido linda. Linda como ninguém em seu tempo conseguira descrever. E, até onde os poucos documentos disponíveis informavam, sua beleza era eterna, atemporal, transcendente ao tempo normal da passageira beleza feminina."

Cara, eu adooooooro essas historinhas do Egito. Aliás, que inveja dessa mulher /\

A única vantagem que nós mortais temos sobre ela é a manicure e a depilação, claro.

Aliás, devia existir depiladora no Egito. Nunca vi nenhuma deusa ou princesa peluda.

USHUSHSD, que história bizarra essa a do Egito xD

"A energia de amor que os unia dispensavam as palavras e as juras. Era uma verdade eterna, indiscutível." Que lindo *—* muito aplicável a mim. Falando nisso, tenho que escrever a segunda carta pro Di *-*

"— Alexandre… eu te amo… quero morrer com você…" *——————*

Eu chorei no fim, confesso. Aliás, meu olho ainda tá boiando na água. Por isso que eu sou meio cega, meu olho se acha o nadador americano das sete medalhas que eu esqueci o nome e fica boiando toda hora. Eu tenho culpa de chorar até em propaganda de manteiga?

"— ...seu Hooper, o que aconteceu? Estão falando em seqüestro! Ai, como é que se fala "seqüestro" em inglês? Seqüestrêichon! Seqüestrêichon!" :'6 kidnapping, eu acho :B não sei se tem dois "p", mas é algo assim.

Ih, "defesa da América para os Americanos". Como chamava isso mesmo? Plano Monroe? Estudei esse ano. Doutrina Monroe. Não é à toa que eu sou a melhor aluna do Hugo xD

AI QUE IDIOTAS! ELES TIRANDO JOKEMPÔ ENQUANTO A MAGRÍ QUASE MORRE!

Ah, meninos... ¬¬

" Um turbilhão de dúvidas e sentimentos confundia seu coração e cérebro num só órgão.

O que fazia ali aquela menina cujo desaparecimento levava o mundo à loucura?

Onde Magrí tinha se metido?

E por que Chumbinho estava de cuecas?"

OIUASDHDSIOHSDOISDAHDOIDHSOIHSDOISDHSDOISDHSDOIHSD /euri.

"— Que horror! — exclamou Rodrigues Lobo. — Esses bandidos conhecem até os códigos secretos da CIA!" ah, meldels, é tão EXTREMAMENTE ÓBVIO!

Que horror, o velho vai deixar a "filha" morrer pelo mundo. Eu não deixaria. Foda-se o mundo. A Ludmila (ahmeldelscacete) é mais importante que o mundo. Tá, acho que eu não quero mais que a minha filha chame Ludmila :B

Droga de americana! u.uuuuuuuu ela quer ser um Kara.

Meldels. Era só um som de helicóptero. Então como o Sherman disse que viu um helicóptero preto com as luzes apagadas, e ninguém mais viu? Porque.é.ele.o.chefe.

Uui-q os Karas vão tirar a Magrí de lá, e ela continua peladona :'6

"— O melhor é falar com meu tio Sherm — propôs Peggy. — Ele é o guarda-costas do papai. Um amigo maravilhoso, que me carrega no colo desde que eu era um bebê."

Ah, sua burra, sua tapada, você não merece ser um Kara! Ela tem que morrer no final. Tomara.

Hmm, eu tinha ido lá na rua comprar coca. Aqui nada abre de sábado, só tinha uma espelunca aberta.

Ai, meldels, os Karas são muito foda. Tossir em código morse :'6

"— Seu Hooper! O senhor está preso como suspeito do seqüestro da senhorita Peggy MacDermott. Está preso como suspeito do assassinato de dois agentes americanos. E, se eu pudesse, eu iria prendê-lo também por não saber pronunciar o meu nome direito!" :'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6

"— Canalha! Eu sou pernambucano! Já ouviu falar em "capoeira", desgraçado?" :'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6:'6

"— Você vai indo bem. Agora diga: Calú, você é o garoto mais lindo do mundo!

— Oh, honey — ronronou a menina. — Vamos deixar essa lição para depois... Amor não se ensina. Amor a gente faz..." ai que oferecidaaaaa auheuehea

Asho-q esse livro foi o último. Depois da Droga do Amor, porque a Magrí ficou com o Crânio. Sinal que os opostos se atraem, ela linda e ele inteligente.

Ai, o chicreth grudou no meu beiço D:

"A hora da verdade" também é do Pedro Bandeira, acho. Tô lembrando agora. É perfeito *-*

Ai gzuz, não vou ler esse livro de Laurinha não-sei-o-quê, é meio que infantil.

MELDELS, NÃO ACREDITOOOOOOOOOOOOO *-*

Colocaram o nome errado no doc!

É esse livro! "A Hora da Verdade"! *—*

Que eu tava doida pra reler! *-*

Tô lendo. Sim, eu sou uma grande leitora (:

Nhanhanahanhanahananhanhanha, eu amo chiclete de menta com caldinho *—*

Fresh-up rulez \o\

"— E aí, Adele gostosa? Levanta uma bola pra mim, levanta, vai!"

Ela é jogadora de vôlei. E essa foi a pior cantada que eu já vi na vida :'6 até minhas cantadas são melhores. A da geladeira :'6

Di: alô? Aqui é a geladeira.

Thatha: não falta nada de gostoso nessa geladeira ;99

"Na festa da Roberta, a colega rica, a levantadora titular e capitã do time de vôlei." > não era a Cássia? Ò.ó

"Idéia só. Idéia sem braços, os dela continuaram caídos e mortos." <>

Aah, queria ir no shopping hoje. Eu provavelmente conheceria o Matheus/John Constantine, e provavelmente daria uma porrada na talzinha que fez palhaçada com ele, ele tava me contando ontem. Ele é cool (: é difícil ter algo parecido com "diálogo" com um sujeito aqui de Araçatuba.

" Os lábios de Desmond! Ah, os lábios de Desmond pareciam conhecê-la como se o garoto tivesse passado a vida a beijá-la. Sua língua tocava-lhe a sensibilidade do cantinho da boca, esfregando de leve, acariciando com doçura, antes do beijo tórrido, tropical... Beijou-lhe o pescoço, aspirando-a, como se quisesse respirá-la." *-* uau, que inveja. Isso deve ser o beijo perfeito.

Tô entrando no clima... daqui a pouco vou lá escrever a carta. Quero colocar ela no correio segunda. E vou mandar outra foto :3

Aliás, nem perguntei pro Di se ele saiu mostrando ela pra todo mundo... se bem que não tava muito boa, foi a primeira carta de amor que eu escrevi na vida. Quero dizer, de amor correspondido... mentira. Eu já tinha escrito uma pro Rapha, mas não chegou :B

"Adele colou-se gulosamente aos lábios de Desmond, entregando completa e apaixonadamente o que fingia recusar ainda havia pouco. Foi um beijo frenético, imenso, avassalador..." isso também deve ser referência à Dom Casmurro e Capitu. Nunca li o livro, mas li um que resume a história, e o estilo é bem parecido.

"— O que você está precisando é de alguém que levante alguma coisa aí de você. Esse não é o meu jogo. Eu só sei cortar. A Adele está ocupada, mas por que você não vai procurar a Roberta? Ela é a levantadora reserva..." uaheuhae xD

Caraca, tô congelando!

Página 22/113.

Vou escrever a segunda carta pro meu amor *-*

Um comentário:

-nati * disse...

vc tinha meu nome =O